25. março. 2019
fb-like
fb-share

Robótica CMG entre os 10 melhores do Brasil!

robótica 2

Colégio Maximiliano Gaidzinski fica entre os 10 melhores do Brasil na OBR 2018!

Instituição de ensino de Cocal do Sul disputou na última semana a etapa nacional da Olimpíada Brasileira de Robótica, na Paraíba

O Sul de Santa Catarina, representado pelo Colégio Maximiliano Gaidzinski, ganhou destaque na Olímpiada Brasileira de Robótica, realizada na última semana em João Pessoa, na Paraíba. O colégio de Cocal do Sul ficou entre os 10 melhores do Brasil, conquistando o 8º lugar, na categoria nível 2, entre mais de 80 instituições de ensino do Brasil que participaram na competição. Ao todo, o evento reuniu 420 alunos do Ensino Médio e Fundamental de diferentes regiões do país.

A equipe “CMG COMICS”, formada pelos alunos de Ensino Médio e Técnico em Eletromecânica (Ângelo Burigo Maragno, Caetano Peruchi de Pellegrin, Helena Mazzuco Sorato, Hugo Manoel Lima), conquistou ainda em agosto o 1º lugar na etapa estadual, sendo a única vaga para representar Santa Catarina em João Pessoa.

As provas da OBR são realizadas por meio de duas modalidades: competições práticas com o desenvolvimento de robôs e provas teóricas. Para chegar à final, a equipe “CMG COMICS” passou por diferentes etapas e desafios, que avaliaram habilidades como raciocínio lógico, criatividade e trabalho colaborativo. “A experiência de participação em um evento grandioso como esse fortalece a relação aluno/professor, podendo transmitir na realidade todas as formas de interação entre os alunos fora da sala de aula. A OBRatua, em minha opinião, como instrumento para a melhoria do ensino, bem como identificar jovens talentosos que possam ser estimulados para carreiras técnico-científica”, avalia o professor Ramon Oening, que, ao lado do professor Reginaldo Tassi, orientou os alunos do CMG durante a competição.

Para o estudante Caetano Peruchi, que faz parte da equipe de robótica, a vitória da etapa estadual da OBR permitiu não apenas um avanço na competição, mas, como consequência, maior necessidade de evolução tanto da equipe quanto do robô. Diversas regras recentes e novos obstáculos exigiram o máximo de empenho do grupo para a disputa da etapa nacional, colocando à prova todos os desafios do universo de lógica e automação de máquinas. “Foi uma experiência inesquecível, trabalho em equipe, necessidade de mudança no hardware e software do robô, adaptação às diferentes pistas de competição, tudo isso cooperou para que os aprendizados adquiridos nesta competição sejam levados para o resto da vida”, finaliza.
ALISSA STEILEIN DE MORAES
Assistente Comunicação / Marketing
Tel + 55 (48) 3447 7622

robótica 2 thumbnail_IMG-20181109-WA0055

TAGS:

Deixe um comentário